Desenvolvimento de Jogos Independes (Indie)

Desenvolvimento de Jogos Independes (Indie)

Há uma grande porta aberta dando ótimas condições para indústria de jogos portáteis: muitas pessoas estão recebendo seu primeiro telefone celular.

Com o desenvolvimento das nações subdesenvolvidas, algumas avaliações afirmam que o número de 6,1 bilhões de indivíduos terá telefone até 2020 – que é o dobro do número atual.

Nações como Índia, Brasil e Indonésia estão começando a ter uma taxa de penetração de dispositivos móveis, bem similar a países bem desenvolvidos.

No entanto, esse setor de negócios em desenvolvimento de novos clientes cria uma singularidade intrigante em relação à versátil indústria de jogos.

Geralmente, renomados designers de jogos portáteis não olham para a cena criadora – para onde esses celulares estão indo – na maior parte do tempo, eles estão de olho onde o dinheiro está.

Tudo considerado, essas nações oferecem uma porta aberta para que pequenos e médios designers prosperem sem tanta rivalidade de estúdios gigantes.

Aqui está a maneira pela qual os desenvolvedores fora da caixa podem chegar antes desses estúdios e fazer com que seu negócio de criação de Jogos Portáteis, valha a pena.

A seguir listamos 5 pontos que podem ajudar esses estúdios Indie a prosperar:

1 – Mantenha o app leve e fácil para download.

Os telefones celulares mais baratos não possuem um espaço de armazenamento muito grande, da mesma forma os planos de dados que são mais baratos, também não possuem uma velocidade de download muito boa.

A combinação desses elementos pode se opor à adição de outro aplicativo nos celulares mais baratos, e de vez em quando dificulta a conclusão de downloads.

Para ilustrar isso, temos boas informações sobre problemas de download em um relatório de downloads que ilustra o caso da China.

O distribuidor SkyMobi seguiu uma taxa de erro de download de cerca de 50% nos downloads de jogos com apenas 50 MB na China, tamanho considerado um tamanho pequeno para países como o Japão ou os EUA.

Para desenvolvedores de jogos concentrando-se em países como a Índia, Brazil e outros que ainda estão com sua infra pouco desenvolvida, uma medida boa de tamanho de app de jogos é abaixo de 25 MB.

2 – Torne o Modo Off-Line um modo possível.

Mobile Gamming

Problemas de rede afetam negativamente os detalhes do jogo.

Nas Filipinas, por exemplo, a questão é muito óbvia: os jogos que exigem uma sólida conexão na Web são frequentemente impossíveis de jogar, mesmo com um plano 4G.

Na verdade, a maioria dos clientes não está aproveitando o que passa localmente como 4G – e muitos não têm nem dados disponíveis em seu celular.

Um jogo que dependa muito de acesso a internet, pode acabar aborrecendo o usuário, invés de diverti-lo.

Uma maneira de contornar isso é amarrar as conexões com a internet apenas para se conseguir mais bônus para seu jogo e não para a jogabilidade do game.

Uma estratégia típica pode ser encontrada em jogos como o Fishing Break, no qual a o bônus pode ser coletado assim que uma conexão com a internet for localizada (geralmente wifi doméstico), assim o usuário poderá continuar a jogar e não irá perder os bônus por não estar conectado.

3 – Deixe acessível a qualquer mercado.

Nas nações em desenvolvimento, os clientes costumam se acostumar a receber menos consideração dos desenvolvedores de jogos, tudo desde a até itens dentro do jogo, pode não estar acessível no idioma local.

De fato, mesmo um pequeno esforço como reconhecer uma ocasião significativa nas proximidades será valorizado.

Por exemplo, o Tinybop, um designer de jogos instrutivo, utiliza uma metodologia de interpretação completa para conseguir o sucesso do jogo em países como a Índia.

“No caso de apresentarmos nossos aplicativos no idioma do país, apresentar particularidade da localidade como expressões comuns, associar eventos ou datas comemorativas do pais e outras forma de se deixar o jogo com a cara do povo do país, acaba aumentando muito as possibilidades de um usuário querer realizar o download desse app.”

4 – Preços e Propagandas próprias para cada país.

Imagine você jogando um candy-Crush e do nada aparece uma propaganda de uma casa de massagem da Índia, e seu preço está em dólar…

Acredito que isso não seja muito efetivo e ainda uma falta de consideração do desenvolvedor do jogo, certo?

Aqui entra a importância de se ter um jogo que tenha preços compatíveis com o mercado que ele está tentando abordar.

E, da mesma forma, contenha anúncios que sejam relativos ao país do usuário.

5 – Atuar de forma flexível

Há também uma classe crescente de gastadores nos países em desenvolvimento.

Apesar do fato de o Android possuir pontos focais em mercado gigantescos na maioria desses territórios, existe um subconjunto de players pagantes no iOS.

A explicação inegável: os gadgets para iOS são caros, custando mais do que uma remuneração média mensal em determinadas regiões.

Os jogadores do iOS são pessoas que baixam grandes jogos, têm velocidade de internet boa e talvez até joguem em inglês.

Por exemplo, a Octro está desenvolvendo na Índia jogos de cartas que não necessitam de disponibilidade on-line.

Independentemente das diferenças econômicas inegáveis, todos os clientes dos países em desenvolvimento são energéticos e abertos para o conteúdo!

Conclusão

Bom, espero que tenha gostado dessas 5 dicas e aproveite bem para direcionar sua estratégia na criação de um jogo, caso seja esse seu objetivo.

Nos deixe um comentário com suas considerações.

Obrigado!

TCCP MOBA Gaming.

Não Deixe de ler também:

Um comentário em “Desenvolvimento de Jogos Independes (Indie)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *